MENU
Trombose Venosa Profunda em Jovens

Trombose Venosa Profunda em Jovens

Estima-se que a cada ano surgem, no Brasil, cerca de 180 mil novos casos de trombose venosa que acomete, na sua grande maioria, pessoas com idade a partir dos 40 anos, porém, existem alguns fatores de risco que podem levar uma pessoa jovem a desenvolver trombose, embora raramente.

Recentemente, uma cantora famosa noticiou em suas redes sociais que estava internada com diagnóstico de trombose venosa profunda.

Afinal, o que leva uma pessoa com idade de 27 anos a desenvolver um trombo?

Muitos fatores podem favorecer o aparecimento de um coágulo, como: hereditariedade, gravidez, presença de varizes, idade avançada, insuficiência cardíaca, tumores malignos, obesidade, distúrbios de hipercoagulabilidade, além do uso de anticoncepcionais e o tabagismo. Neste período de quarentena aconselha-se que a pessoa faça alguma atividade, mesmo estando em casa. Não é bom ficar por muito tempo sentada ou deitada.

Os sintomas mais comuns da trombose são:

• Dores na região afetada pelo trombo com endurecimento da musculatura.
• Inchaço na perna, ardor e queimação.
• Dilatação das veias ou das varizes já existentes
• Dor, principalmente na panturrilha, se espalhando para o tornozelo e o pé
• Em casos extensos, pode ocorrer cianose (coloração escura) dos dedos ou do pé.

Diagnóstico da TVP

Em muitos casos, a trombose venosa em sua fase inicial não apresenta sintomas (são assintomáticas), muitas vezes o primeiro sinal de que a pessoa está com trombose venosa é a embolia pulmonar (em alguns casos o trombo inteiro ou um fragmento dele se desprende e “viaja” na circulação venosa até atingir o pulmão, provocando falta de ar e até a morte). Quando há suspeita desta doença é necessária a realização de exames complementares para confirmar o diagnóstico. O ultrassom vascular – Eco color Doppler - é o exame indicado, além deste exame, também podem ser realizadas tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética.

Como é realizado o tratamento da TVP?

O principal objetivo do tratamento é evitar a embolia pulmonar, extensão da trombose e, secundariamente, a recorrência da trombose e suas sequelas nas pernas, além da melhora dos sintomas descritos anteriormente.

De acordo com o diagnóstico da doença e o perfil clínico do paciente, o médico especialista definirá o protocolo do tratamento, podendo ser com o uso de medicamentos anticoagulantes, domiciliar ou a nível hospitalar, ou por meio de procedimentos minimamente invasivos, como: trombectomia (retirada percutânea do trombo), trombólise (uso de medicação para dissolver o trombo) e até implante de filtro, denominado filtro de veia cava, para evitar a embolia pulmonar.

Existe prevenção para a trombose?

É possível, sim, prevenir a trombose. Algumas das dicas são: exercitar-se ou fazer pequenas caminhadas regularmente; controlar o peso; evitar o cigarro; movimentar as pernas durante longos períodos na mesma posição; usar meias elásticas, e fazer uso de anticoagulantes de forma preventiva, sempre com orientação médica.

Existem situações que podem aumentar o risco para o desenvolvimento de trombose venosa, dentre elas: cirurgias prolongadas (prótese total de quadril, correção de fratura de fêmur, prótese total de joelho, cirurgias relacionadas a câncer e outras), ter histórico prévio de trombose venosa, não realizar a prevenção de forma adequada, e outras situações clínicas.

Fazer check-up médico regularmente com especialista em angiologia ou cirurgia vascular para avaliar riscos, diagnóstico precoce e prevenção é muito importante.

Faz bem cuidar da saúde. E nós te ajudamos com isso.

Dr. Fábio Augusto Cypreste Oliveira
CRM/GO 14.474-GO | RQE 6991 | 6992 | 7034 | 8147
Cirurgião Vascular, Endovascular e Angiorradiologista
Ecografia Vascular com Doppler