MENU
Tabagismo aumenta risco de leucemia e linfoma

Tabagismo aumenta risco de leucemia e linfoma

Você sabia que o cigarro causa mais de 50 tipos de doenças?

O tabagismo tem relação com aproximadamente 50 tipos de doenças, dentre elas vários tipos de câncer, doenças do aparelho respiratório e cardiovasculares, como: doença arterial obstrutiva periférica, tromboses, aneurismas, acidente vascular cerebral, angina, infarto agudo do miocárdio e hipertensão arterial. Além dessas doenças, pesquisa publicada no British Journal of Cancer relaciona o hábito de fumar ao risco aumentado de desenvolver leucemia e linfoma.

Conduzida por um especialista da Oxford University, na Inglaterra, a pesquisa acompanhou 1,3 milhão de mulheres adultas durante dez anos. Foi descoberto que o cigarro estava relacionado a diversas doenças do sistema linfático. Entre elas, o linfoma de Hodgkin. Fumar 20 cigarros por dia, por exemplo, pode dobrar as chances de desenvolver a condição.

Outro ponto relevante do estudo foi a associação do vício à leucemia. Ao longo da análise, 9 mil participantes desenvolveram a doença, ou seja, oito em cada mil participantes. Entre as não fumantes, a incidência foi de seis em cada mil mulheres.

Cigarro da Gravidez

Como o assunto é tabagismo, não podemos deixar de abordar os malefícios do cigarro durante a gravidez. As substâncias tóxicas do fumo interferem no funcionamento das trompas de Falópio, aumentam o risco de gravidez ectópica, abortos espontâneos e o nascimento de bebês com baixo peso ao nascer.

O que não faltam são motivos para parar de fumar. O cigarro está, também, relacionado com outros prejuízos para a saúde nem sempre conhecidos pelas pessoas. Leia a seguir alguns deles:

Periodontite

O hábito de fumar aumenta em até 6 vezes do risco de periodontite

Endocrinologia e Nutrologia

Fumar é um fator de risco para diabetes mellitus, hipertireoidismo e osteoporose.

Olfato e paladar

As substâncias químicas presentes no cigarro atuam como irritantes da mucosa bucal e olfativa. Por isso, o cigarro promove alterações nas papilas gustativas, impedindo que o fumante sinta o gosto verdadeiro dos alimentos e prejudicando a capacidade de sentir cheiros.

Doenças gastrointestinais

Até mesmo a digestão é prejudicada pelo tabagismo. Primeiro por conta das alterações no paladar. Depois pelo fato de a nicotina provocar irritação e diminuição da contração do estômago. O hábito também está relacionado a um risco maior de ter refluxo gastroesofágico, uma vez que enfraquece o músculo que impede o retorno do conteúdo estomacal para o esôfago.

Visão

O risco de desenvolver catarata é duas vezes maior entre os fumantes e na degeneração macular, o aumento é três vezes maior. Outro prejuízo do cigarro é a queda das pálpebras, que pode diminuir o campo visual do fumante.

Envelhecimento

O cigarro é um dos fatores que mais favorece o envelhecimento precoce da pele, além de deixar os dentes amarelados, diminuir a produção de colágeno pela pele, favorecendo o aparecimento de rugas e, ainda, o movimento feito com a boca para tragar cria linhas de expressão indesejadas na face.

Enfim, pessoas que fumam adoecem com uma frequência duas vezes maior que as não fumantes, têm menor resistência física, menos fôlego, baixo desempenho nos esportes e envelhecem mais rapidamente.

Exercícios físicos são aliados na hora de parar de fumar

Um estudo realizado pela Western University, no Canadá, aponta que o exercício é uma excelente forma de levar um fumante ao abandono da dependência do cigarro.

Na análise sobre o prazer de fumar dos participantes, os pesquisadores compararam as reações aos cigarros que foram fumados durante o período anterior às atividades físicas e descobriram que, após as quatro semanas, os cigarros já não eram mais tão apreciados quanto antes.

Cuidar da saúde é um bem que você faz a si mesmo, por isso, procure parar de fumar, pratique exercícios físicos, tenha uma alimentação saudável, faça um check-up para verificar como anda a sua saúde.

Faz bem cuidar da saúde. E nós te ajudamos com isso.

Dra. Maria Cunha Ribeiro Amorelli
Médica, especialista em Hematologia, Hemoterapia e Aconselhamento Genético

Fonte:
British Journal of Cancer
addictionjournal.org